Postagem em destaque

CONHEÇA A CÂMARA EXTERNA DA ORDEM ROSACRUZ, AMORC

Caro Buscador, Seja bem-vindo à Câmara Externa da Antiga e Mística Ordem ROSACRUZ, AMORC! Esta modalidade de aproximação...

domingo, 22 de fevereiro de 2015

PROMESSAS DE ANO NOVO - 20/03 - Feliz ano R+C 3368


As lendas e tradições dos povos do chamado período helenístico [influência da cultura grega], estão muito associadas à atividade humana, especialmente a agrícola. Procurando manter-se sempre em harmonia com as leis da Natureza e do Cosmos, nossos antepassados, frente a tais fenômenos, celebravam festas, cerimônias e ritos apropriados à ocasião, e adotaram, ao norte do equador, o equinócio da primavera - 20 de março - como data para o início do Ano Novo Solar. Aliás, a constelação de Áries, primeira do Zodíaco e facilmente localizável no céu, já era conhecida pelos babilônios. Cerca de 2.500 anos a.C., diante da freqüência de tais fenômenos, eles fixaram o início do ano, justamente, nessa época.

O calendário romano, antes da reforma determinada por Júlio César [101 - 44 a.C], tinha início no mês de março. Este calendário, ou Juliano, em data bem posterior [1582] foi revisto e atualizado pelo gregoriano, que é usado até hoje em quase todos os países do mundo.

No entanto, um grande número de sociedades esotéricas, entre elas incluindo-se a ORDEM ROSACRUZ - AMORC, mantêm a multimilenar tradição de comemorar o Ano Novo no mês de março, ocasião em que tomam deliberações para o período seguinte, elegem e consagram novos dirigentes que, em singular cerimônia, assumem o compromisso de manter os elevados ideais da Ordem, bem como o de servir altruisticamente à humanidade.

Na primavera, o movimento aparente do Sol é indicado como um novo nascimento. Nesse período a vida se renova na Terra, pois recebe novas e mais poderosas energias transmitidas pelos raios solares e os benefícios adicionais gerados pela posição harmônica dos planetas que compõem o sistema heliocêntrico.
...Os episódios lembrados durante o transcurso do Ano Novo ROSACRUZ, ao serem examinados sob o ponto de vista do equilíbrio e da harmonia cósmica, da união consciente do homem com a natureza, deverão contribuir para que o Adepto possa, convicto dos postulados do Código de Vida que abraçou, meditar e compreender, com extrema alegria, que a saúde física do corpo, sempre revitalizada, é de fundamental importância para a transmutação de idéias velhas em novos e mais proveitosos conceitos sobre o significado de sua vida.
Dionísio Reis, FRC.



PROMESSAS DE ANO NOVO

Ano Novo, promessas mágicas. Palavras são repetidas, com ênfase para expressar todo o nosso desejo de felicidade e prosperidade a cada ano que se inicia. Paira no ar um clima de renovação que perpassa mentes e corações. estamos neste tempo de renovação.


Por que não desejar a si mesmo, sincera e fervorosamente, a prosperidade na Luz da Vida e no Amor, de forma (im) pessoal? Sim, fazer um propósito, ir além do simples desejo de ser feliz, compromissar-se consigo mesmo e ter a coragem de reavaliar-se, pelo menos uma vez por mês. Se necessário, começar de novo, como se fosse a primeira vez, dizendo:

Eu me proponho a:

Direcionar minha atenção para o lado puro e bom das pessoas.

Acelerar meus passos na Senda Espiritual.

Discernir a verdadeira Luz das falsas miragens.

Lembrar que o tempo é curto e a vida é apenas agora.

Trabalhar o meu silêncio, única chave do tabernáculo interior.

Ser menos dependente das coisas e das circunstâncias.

Observar quantos seres santos caminham neste mundo.

Olhar mais para o espelho do Sanctum e menos para a tela da TV.

Agir e falar positivamente em favor do país em que resido.

Levar bem mais a sério o Código Rosacruz de Vida.

Sentir, com intensidade, a Paz, sinônimo da felicidade verdadeira.

Agradecer à Vida pelo dom da vida.

Partilhar todas as bênçãos recebidas.

E orar, orar, orar sempre, por toda a humanidade.

Texto retirado da revista Rosacruz, nº 234, p. 52, 
escrito por Mercedes Palma Parucker, SRC.




ORDEM GUIAS DO GRAAL - OGG (Ordem Juvenil)



















MARTINISMO - TOM - Tradicional Ordem Martinista








sábado, 21 de fevereiro de 2015

ESTUDO DA CABALA (11ª semana) TERCEIRO PRINCÍPIO ESPIRITUAL DA CABALA - PARTE 2

21 a 28/02/2015

A CAUSA DE TODAS AS CAUSAS

Por que o Big Bang ocorreu, em primeiro lugar? O que causou? E como o Big Bang se relaciona com a vida na cidade grande? Por que deveríamos nos preocupar com algo que aconteceu há 15 bilhões de anos, quando nem ao menos conseguimos entender o que deu errado nos últimos 15 minutos de nossa vida?

Os antigos cabalistas foram os únicos a ousar responder a essas perguntas essenciais da existência. Eles viajaram a um lugar onde ninguém mais tinha jamais se aventurado - para o misterioso momento antes da Criação do nosso Universo!



SABEDORIA COMO LUZ

A sabedoria espiritual e os conceitos que serão revelados no curso são mais antigos do que o próprio tempo. Existe uma dimensão mística ligada à compreensão da raiz de nossa existência. Existe uma dimensão mística ligada à compreensão da raiz de nossa existência. Há um benefício espiritual que vem de entender estes princípios originais. Esta sabedoria longamente oculta, de acordo com os cabalistas mais instruídos, é também o material e a substância da própria Luz espiritual. Cada nova noção implantada em nossas mentes abre novas trilhas e portais para o 99 %, através dos  quais a energia positiva preenche o nosso ser. Aprender Cabala liberta um potencial oculto, nos permitindo ver e perceber coisas que nunca vimos antes. A meta ao estudar Cabala e os mistérios de nossas origens não é apenas ficar mais versado, mas também mais puro, mais iluminado e mais realizado. 


RETIRANDO A CORTINA 

Hoje, com a aceitação da mecânica quântica, da relatividade e de outras teorias científicas de ponta, parece que finalmente a ciência está alcançando a Cabala.  Entretanto, permanece uma diferença notável: enquanto a ciência limita suas investigações a como o mundo funciona, a Cabala faz a pergunta final: Por quê? 
Por que o mundo existe da forma que existe? 
Por que estamos aqui? 
Por que minha vida é como é? 
Vamos agora dar uma espiada por trás da cortina e descobrir o que realmente se encontra do outro lado da realidade. Pronto para dar uma olhada? 
Aqui vai: Antes do planeta Terra... Antes do universo... Antes do Big Bang... Antes do próprio tempo... De volta à causa de todas as causas...

 Saiba que antes das emanações serem emanadas e do criado ser criado, a Luz exaltada e simples preenchia toda a existência, e não havia nenhum espaço vazio. 
                                          — Cabalista R. Isaac Luria, século XVI.



ENERGIA INFINITA 

Antes do início dos tempos, existia uma força infinita de Energia. Essa força atingia até o infinito, preenchendo a eternidade, se expandindo até a infinidade, além de tempo, espaço ou movimento. De acordo com a Cabala, esta Energia sem limites era a única realidade. E a natureza dessa Energia era se expandir, transmitir, compartilhar e dar. A essência e a substância dessa Energia era a satisfação infinita, a alegria sem limites e a iluminação ilimitada. 

Tudo o que sempre desejamos, e muito mais, está incluído dentro dela: Plenitude... Paz de Espírito... Contentamento... Amor...Liberdade... Sabedoria... Felicidade! 

Na Cabala, esta Energia de dar e de compartilhar que sempre se expande é conhecida como a Primeira Causa.


DOIS PARA O TANGO 

O conceito de dar e compartilhar requer o consentimento de duas partes. Afinal, se não há ninguém com quem compartilhar, como pode o compartilhar ocorrer? Se não há ninguém que deseje receber o presente, como o presente pode ser dado? 

É preciso que haja um recipiente, um receptor desejoso, um desejo de tomar posse da oferenda, para que o ato de compartilhar ou de dar ocorra.


O RECEPTOR INFINITO

Para completar a sua natureza de dar, a força de Energia infinita criou um recipiente — a Cabala o chama de Receptor — para o qual poderia compartilhar a sua essência. Imagine um copo cheio de água. A água dentro do copo corresponde à Energia. O copo corresponde ao Receptor que recebe e contém a Energia. O Receptor, entretanto, não era uma entidade física. Era, na verdade, uma força, uma essência inteligente, não material. 

A natureza do Receptor era um Desejo de Receber infinito. Em outras palavras, para todo tipo de satisfação e alegria que a Energia irradiava, havia por parte do Receptor um Desejo de Receber correspondente. Pelo fato de essa Energia incorporar uma variedade infinita de satisfação, o Receptor consistia de infinitos Desejos de Receber. 

Sendo que esta Energia é definida como a Primeira Causa, o Receptor é definido de forma adequada como o Primeiro Efeito. Temos agora então uma Energia infinita e um Receptor infinito. Causa e efeito. Dar e receber. 


 Aguarde próxima semana:Parte 3 
Leia também:
O SEGUNDO PRINCÍPIO ESPIRITUAL DA CABALA