Postagem em destaque

CONHEÇA A CÂMARA EXTERNA DA ORDEM ROSACRUZ, AMORC

Caro Buscador, Seja bem-vindo à Câmara Externa da Antiga e Mística Ordem ROSACRUZ, AMORC! Esta modalidade de aproximação...

domingo, 31 de janeiro de 2016

DIA DA SOLIDARIEDADE - 31 de janeiro








Divulgação ROSACRUZ Jequié








DIA DA NÃO VIOLÊNCIA - 30 de janeiro


Um dos maiores defensores da paz, da não violência, da justiça e da tolerância entre os povos, Mahatma Gandhi, pacifista indiano, foi assassinado nessa data, em 1948.











PORTAL DA CABALA Mini-Aula de Torá - Conexão (18) A Força da Verdade

30/01 a 06/02/2016

Conexão da Semana: A Força da Verdade 

    A porção da Torá desta semana aborda uma série de leis, complementares aos dez mandamentos, que são transmitidas pelo Eterno à Moisés. A leitura literal de todas estas leis certamente cairia em muitas contradições. Por isso precisamos revelar cada código oculto por trás do texto aparente.

    Entre as diversas sentenças proferidas pelo Eterno, destacamos uma em especial: “Da palavra falsa afasta-te”. Esta pequena frase nos ensina que o caminho espiritual busca a verdade, muito mais do que qualquer milagre. Mas para atingirmos esta dimensão da verdade precisamos abandonar a mentira. E o que seria a mentira?

    A mentira é o defeito que vemos nos outros. É a ilusão de que deveríamos ser mais bonitos, mais ricos, mais inteligentes, mais bem sucedidos. A mentira é uma vida regida pelo ego, sempre pronta à desmoronar.

    Nesta semana nos afastamos dela. Fazemos isto silenciando, respirando, focando no presente. Assim é possível estar em contato com a verdadeira força,que preenche, trazendo paz e felicidade.

Shalom!

Atenção: Cursos de iniciação on-Line será em breve.  
A seguir a mini-aula da semana.



[]s Ian Mecler.
Aguardem: Próxima semana, novo estudo -
 Conexão 19- O Templo







domingo, 24 de janeiro de 2016

OS TEMPLÁRIOS E O PERGAMINHO DE CHINON



 OsTemplários e o Pergaminho de Chinon:


 Encontrado nos Arquivos Secretos do Vaticano
.
Chinon era a cidade francesa que ocorreu um dos episódios mais importantes envolvendo o julgamento dos templários, foi o local que o Rei Felipe aprisionou os lideres templários incluindo o grão-mestre Jacques de Molay. Lá foram torturados até supostamente confessarem as acusações de heresia e blasfêmia. Foi então que o Rei Felipe divulgou à toda Europa a confissão do grão-mestre e do restante dos membros da ordem o que rapidamente causou um espanto em todos que recebiam a informação, pois até então os templários tinham uma reputação ilibada. Por conseqüência, ocorreu um verdadeiro caos social e começaram a surgir movimentos contrários aos templários. 



Em resumo dos acontecimentos, Jaques de Molay e os outros lideres, declararam que não suportaram as acusações e foram obrigados a confessar. Foi então que o Papa absolveu os Templários. A absolvição resultou num documento redigido pelo Próprio Papa conhecido como “O PERGAMINHO DE CHINON”.


Ao trazer para o público um pouco da história dos Templários, Barbara Frale aborda o tema sob uma nova perspectiva. Para elaborar este trabalho, ela utilizou, entre outras fontes, o Pergaminho de Chinon, encontrado recentemente - após 700 anos - nos Arquivos Secretos do Vaticano. 

 ACUSAÇÕES DE HERESIAS 
 COM A FRAGILIDADE DE CLEMENTE V TOTALMENTE DEPENDENTE DE FELIPE ( O BELO ) VOLTARAM AS ACUSAÇÕES DE HERESIAS CONTRA OS TEMPLARIOS

 PRINCIPAIS ACUSAÇÕES: 

• NEGAR CRISTO, QUANDO ADMITIDOS NA ORDEM 
                                                    ( DANDO TAPAS E CUSPINDO NA CRUZ )
• JURAVAM NÃO REVELAR O QUE ERA DITO QUANDO NA SUA ADMISSÃO NA ORDEM 
• TROCAVAM BEIJOS OBSCENOS NA ADMISSÃO 
• NÃO ACREDITAVA EM NENHUM SAGRAMENTO DA IGREJA , INCLUINDO NA MISSA
• O GRÃO MESTRE, O SUPERVISOR E O COMENDADOR PODIAM ABSOLVER DOS SEUS PECADOS ( ATRIBUTO EXCLUSIVOS DOS PADRES ORDENADOS ) 
• ADORAVAM UM GATO
• PRATICAVAM SODOMIA E HOMOSSEXUALISMO
• NÃO FAZIAM AÇÕES DE CARIDADE E NEM PRATICAVAM A HOSPITALARIA
• REALIZAVAM REUNIÕES SIGILOSAS A NOITE NO CAPÍTULO 
• VENERAVAM UMA CABEÇA BARBADA COM DOIS CHIFRES ( BAPHOMET ) 

O PERGAMINHO DE CHINON

Esse documento comprova que o Papa Clemente V redigiu uma bula na qual perdoava os Templários das acusações que lhes foram atribuídas, mas o fato foi ignorado na época e é revelado somente agora, sete séculos após o fim trágico dos Templários.


("Não para nós, Senhor, não para nós,
mas para 
Glória de Teu Nome").
Estranhamente esse documento se perdeu, a sua existência não passavam de suposições.mas foi encontrado em 2004 pela pela pesquisadora italiana Bárbara Frale, residente da Escola de Paleontologia do Vaticano. Mais estranho ainda, foi a declaração que esse documento foi descoberto nos arquivos secretos do Vaticano, pois não estava devidamente catalogado. A tradução literal do pergaminho foi publicada pelo vaticano apenas em 2007 e parte daquele documento assim mencionava:

“Castelo de Chion em 20 de agosto de 1.308, na nossa presença e algumas testemunhas, o irmão-cavaleiro Jacques de Molay, grão-mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, compareceu pessoalmente e jurou da forma e da maneira indicada, tendo sido diligentemente questionado, disse que a 42 anos fora recebido como irmão da ordem supra... Disse também que a renuncia foi feita em palavras mas não em espirito. Quanto ao mistério de sodomia, a adoração da cabeça e a pratica de beijos ilícitos, ele, ao ser questionado diligentemente, disse que nada sabia sobre isso. Depois disso, decidimos estender a misericordia da absolvição por esses atos ao irmão Jacques de Molay, grão-mestre da dita Ordem”

 Tal documento foi a prova apresentada pelo Vaticano de que a igreja não foi favorável a erradicação dos Cavaleiros Templários.

EXTERMÍNIO

Os que confessarão novamente as acusações foram submetidos à prisão perpétua, outros menos importantes ou que nada tinham a confessar foram mandados para mosteiros e lá ficaram pelo resto da vida. Os líderes, incluindo o grão-mestre, tiveram que esperar até o dia 18 de março de 1.314. Naquele dia a sentença foi dada, com base nas confissões anteriores, distorcidas pela coroa francesa, quatro lideres foram condenados a punições cruéis e perpétuas – apodrecer na prisão sem alimentos até que a morte lenta os libertassem. O Grão-mestre Jacques de Molay e o Mestre da Normandia Godofredo de Charney, ficaram presos nas masmorras reais durante 7 anos e se recusaram ao encarceramento perpétuo e gritavam com todas as suas forças a inocência dos templários e sua pura e sagrada devoção a Deus. Foram levados para ilha de Javiaux, pequena ilha no Sena a leste de Notre Dame, amarrados em estacas, foram incendiados vivos.

A VINGANÇA DO GRÃO-MESTRE

 O único relato ocular registrado foi de um monge anônimo, que nos diz que ele caminhou para a morte com tranquilidade e dedicação e ao ser envolvido pelas chamas ele jurou vingança e desafiou o Rei e o Papa a enfrentá-lo no tribunal de Deus no prazo de um ano e um dia. Curiosamente, em menos de 5 semanas, em 20 de abril, o Papa  Clemente V morreu e naquele mesmo ano no dia 29 de novembro, decorrente de uma queda de cavalo, o Rei Felipe IV também morreu. 

OS TEMPLÁRIOS SOBREVIVENTES E A MAÇONARIA


SÍMBOLOS
 MANTO BRANCO = SIGNIFICANDO PUREZA
 CAVALO COM DOIS CAVALEIROS = SIGNIFICA A POBREZA
 CRUZ VERMELHA COM OS QUATRO LADOS IGUAIS = REPRESENTA EQUILÍBRIO MATERIAL COM ESPIRITUAL.

Fato que diversos países não concordaram com a atitude do Rei da França e não lançaram campanha para perseguição dos templários. Que se absteve ou prestaram refúgio para os cavaleiros foram Portugal e Escócia. O Rei de Portugal – Dinis – restituiu a Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, que em sua essência eram os templários com outro nome e com outros interesses, em específico, passaram a servir os interesses da coroa Portuguesa. Em 1.418 foi nomeado grão-mestre da ordem o príncipe Henrique, que fundou a escola de navegação de Sagres, quando se deu início as viagens exploratórias. A parte interessante nessa história é as embarcações portuguesas que levavam em suas velas o símbolo dos templários, a cruz vermelha, sendo, portanto, inegável relação entre a nova ordem e os cavaleiros da idade média. A rumores que a Escócia recebeu a ajuda dos cavaleiros templários na batalha de Bannockburn, que lutava pela independência escocesa. Uma tropa de templários invadiu a Inglaterra em momento decisivo e garantiu a vitória aos escoceses. Em gratidão, foram protegidos pela Escócia e foram assimilados a uma nova ordem, a dos maçons.



 Fato absolutamente controvertido entre os estudiosos é a da Capela de Rosslyn, que associa a escócia aos templários e aos maçons. A construção da Capela se deu em 1.456, num lugar de um antigo templo que dizem se tratar de uma cópia arquitetônica perfeita do Templo de Salomão. O simbolismo e esculturas da capela são surpreendentes, como pilares retratando a cópia exata da coluna de Boaz, figuras representando o sementes de milho, e em síntese, um lugar que serviu de esconderijo para abrigar os segredos da ordem.

Fonte: blog – cavaleiros do templo
                    - pt.slideshare.net
                    - reisalomao1561.blogspot.com





PORTAL DA CABALA Mini-Aula de Torá - Conexão (17) - O Essencial

23 a 30/01/2016
Conexão da Semana: O Essencial        


Na conexão desta semana temos a revelação dos 10 mandamentos no Monte Sinai. É uma passagem  tão bonita e intensa, que quase passa despercebido um pequeno, mas muito importante diálogo, onde o Eterno pede para Moisés orientar o povo a não fazer deuses de prata e de ouro.

Os deuses de prata e de ouro, referidos aqui no texto, são muito mais do que esculturas de idolatria à outros deuses. Na verdade, a idolatria mencionada aqui se refere ao dinheiro, jóias, bens materiais, fama e posição social, que desde aquela época são o foco e a razão de viver de muitos de nós.

Que possamos então nesta semana começar a abandonar o que não serve mais. Precisamos nos perguntar se estamos cultuando a prata e o ouro, ou se estamos em busca do essencial, aquilo que realmente traz alegria à nossa vida.

Shalom!


 A seguir a mini-aula da semana.

[]s Ian Mecler.

Aguardem: Próxima semana, novo estudo -
 Conexão 18 - A Verdade